quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

BOLSA DE VALORES


TRABALHO DE ANÁLISE ECONÔMICA E POLÍTICA I
“BOLSA DE VALORES”



Esse trabalho tem como objetivo uma explanação das Bolsas de Valores espalhadas pelo mundo. Definições, objetivos, produtos negociados, principais bolsas e onde estão localizadas e, ainda, fazer um estudo sobre as dinâmicas e repercussões delas para o mercado e para o sistema econômico. Resgatando os elementos introdutórios da Economia já estudados em sala de aula.
Componentes: 

ALTEVIR FERNANDES Q. JÚNIOR
CÉLIA REGINA L. BUARQUE DE SOUZA
IRACEMA LUCIANO DE AZEVEDO
SEBASTIANA BARBOSA DE LIMA
VILMA ALVES DA COSTA


1 INTRODUÇÃO

Esse trabalho tem como objetivo uma explanação das Bolsas de Valores espalhadas pelo mundo. Definições, objetivos, produtos negociados, principais bolsas e onde estão localizadas e, ainda, fazer um estudo sobre as dinâmicas e repercussões delas para o mercado e para o sistema econômico. Resgatando os elementos introdutórios da Economia já estudados em sala de aula.
Segundo alguns historiadores, não citados pelos autores dos livros pesquisados, as atuais Bolsas de Valores nasceram na Roma antiga. Para outros, sua origem está, na Grécia antiga, onde os comerciantes se reuniam nas maiores praças para tratar de negócios. O certo é que elas surgiram nas mais antigas civilizações, com atribuições bem diferentes das bolsas de hoje. De acordo com PINHEIRO (2006) e LAMEIRA (2003) Foi na cidade de Bugres, na Bélgica, nasceu a palavra bolsa, no sentido comercial e financeiro, onde se realizaram assembléias de comerciantes na casa de Van der Burse, reconhecido pelos seus méritos e honradez e, também, pela sua atuação na área mercantil.
Na Idade Média até o Século XVII as funções das bolsas eram apenas compra e venda de moedas, letras de câmbio e metais preciosos, isto porque, os negócios eram limitados pela comunicação precária, escassez de capitais e ausência de crédito, nos diz OLIVEIRA (1983)
Na WIKIPEDIA (2010) vimos que a Companhia Holandesa das Índias Orientais instituiu e comercializou as primeiras ações a serem colocadas em um estabelecimento financeiro, criando a primeira bolsa de valores, localizada em Amsterdã, em 1602.
Tradicionalmente os negócios aconteciam fisicamente no próprio recinto da bolsa: pregão viva-voz. Porém atualmente as transações são cada vez mais realizadas por meios eletrônicos em tempo real, onde são colocadas as ordens pelos compradores e vendedores: pregão eletrônico.
Os investidores não compram ações diretamente na Bolsa. Compram-nas através das Sociedades Corretoras membros daquela entidade.
No Brasil, a bolsa de valores chegou em 1845 quando o Imperador do Brasil, Dom Pedro II, regulamentou a profissão, conforme o portal de Economia e Finanças do Brasil Escola, (IG, 2010).


1.1 Objetivos

1.1.1 Geral

Conhecimento da dinâmica e repercussão das Bolsas de Valores para a economia mundial.

1.1.2 Específicos

• Identificar o funcionamento dos diversos mecanismos que envolvem as dinâmicas das Bolsas;
• Estabelecer quais as repercussões das Bolsas e o sistema econômico.

1.2 Justificativa

O motivo desse trabalho é conhecer, encontrar e entender os elementos que compõem o ambiente das bolsas. Não é nosso objetivo servir de base para aplicações financeiras, apenas um aprofundamento do que vem a ser a bolsa e seus mercados, ampliando nossos horizontes acadêmicos e profissionais, ocasionando um ganho substancial no que diz respeito à compreensão das matérias anteriormente abordas, com o que é praticado na bolsa.

1.3 Metodologia

Nossa pesquisa foi embasada em matérias encontradas na internet e em vários livros didáticos, citados nas referências, encontrados na biblioteca da FACEX. Várias visitas foram efetuadas pelos membros do grupo, a biblioteca, para coleta do material, onde pudemos fazer a análise qualitativa do mesmo. Com todo o material em mãos e as pesquisas já realizadas, iniciamos a elaboração do trabalho propriamente dito mantendo a linha exigida pelo roteiro que nos foi entregue no início do trabalho.




2 BOLSAS DE VALORES


2.1  Definição

Segundo PINHEIRO (2006), bolsa de valores é um mercado público onde se negociam títulos e valores, as transações estão asseguradas jurídica e economicamente, pois a regulamentação existente garante as operações e a qualidade de valores. Estão inseridos nesse contexto os investidores (compradores e vendedores) e as instituições financeiras.
De acordo com HESS (1971) a Bolsa de Valor está classificada como mercado secundário, ou seja, Mercado secundário é uma parte do mercado financeiro de capitais dedicada à compra e venda de valores (tais como as ações de empresas) lançados anteriormente em uma primeira oferta pública ou privada (mercado primário) em que se compram e vendem ações.
Para operar no mercado secundário, é necessário que o investidor se dirija a uma Sociedade corretora membro de uma bolsa de valores. Se pretender adquirir ações de emissão nova, ou seja, no mercado primário, o investidor deverá procurar um banco, uma corretora ou uma distribuidora de valores mobiliários, que participem do lançamento das ações pretendidas. Mais recentemente, tem se popularizado no Brasil o uso do home-broker, ferramenta de uso da internet para a operação de compra e venda de ativos financeiros junto às corretoras que oferecem o serviço.
As sociedades corretoras são instituições financeiras, devidamente credenciadas pelo Banco Central do Brasil, pela CVM e pelas próprias bolsas, e estão habilitadas a negociar valores mobiliários em pregão.


2.2 Objetivos

De acordo com o PINHEIRO em seu livro, Mercado de Capitais: fundamentos e técnicas (2006), os objetivos das Bolsas de Valores são:
Facilitar o intercâmbio de fundos entre as entidades que precisam de financiamento e os investidores, através do incentivo a poupança, onde os investidores detêm o capital e as empresas podem ampliar sua capacidade de crescimento a partir das vendas das suas ações;
Proporcionar liquidez aos investidores em bolsa, embora seja um mercado de alto risco, para bons aplicadores é muito compensador.
Fixação do preço dos títulos através da lei da oferta e demanda, uma vez que quem dita o preço é o mercado, que sofre várias influências.
Proporcionar confiança aos investidores, já que as compras e as vendas de valores estão garantidas juridicamente, pois todas as operações são reguladas por normas regidas pelo governo.
Publicar preços e quantidades negociadas para informar aos investidores e entidades interessadas, dando ao mercado uma transparência necessária a sua credibilidade.


2.3 Objetos

Segundo HESS (1971) os objetos transacionados nas Bolsas de Valores são Papéis: Ações de empresas (por imposição legal); Títulos e Valores Mobiliários em mercado livre e aberto; Obrigações reajustáveis do Tesouro Nacional; Títulos dos Estados e Letras de Câmbio.
O pregão de uma bolsa de valores funciona em regime de leilão, isto é, compra quem oferece o preço mais alto e vende quem aceita o preço mais baixo. A flutuação de preços é devida a um desequilíbrio entre oferta e procura; quando a procura é maior que a oferta, os preços sobem; caso contrário, os preços caem.
Dos papéis negociados nas bolsas de valores, são as ações – títulos de renda variável – que regem o mecanismo de variação de preços.


2.4 Principais bolsas do mundo

Conforme o portal de finanças pessoais do IGF (2010), as principais bolsas do mundo são:
1.  EUA – Bolsa de Nova York. É a líder no mercado de ações e funciona em Wall Street. É ela quem dá a direção aos outros índices mundiais. Aos examinar os números da Bolsa dos EUA, as outras praças mundiais passam a ter tamanhos pouco relevantes.

Índices de Ações:
Dow Jones - Criado em 1887 é o mais antigo índice de ações conhecido. Reúne as ações de 30 empresas, que representam as maiores indústrias e empresas líderes dos EUA.
Nasdaq - Surgiu em 1971. Mede o desempenho de todas as ações ordinárias americanas e não americanas que são listadas na Nasdaq (bolsa eletrônica, que ganhou importância com o boom de empresas de internet no início da década).
S&P 500 - Desenvolvido pela agência de avaliação de risco Standard & Poor´s, mede a performance de mercado de ações americano. Acompanha 500 ações, que são a amostra mais representativa das principais indústrias e empresas do país. Este indicador nunca fecha. Funciona 24 horas por dia e serve como um sinalizador da tendência de abertura das bolsas americanas.
S&P 100 – Criado em 1983 acompanha as 100 empresas com opções de CBOE (Chicago Board Options Exchange).
2. INGLATERRA - Bolsa de Londres: London Stock Exchange (LSE) é a bolsa de valores localizada em Londres, a principal da Inglaterra. Fundada em 1801, é uma das maiores do mundo, com companhias britânicas e transnacionais sendo negociadas. Remonta sua história a 1697 quando John Castaing, colocado em um escritório no Coffee-House of Johnatan, publicou os preços das ações e das matérias primas. Índices: FTSE 100, 250  e 350.
 O segundo maior mercado acionário global, a praça londrina, não alcança nem metade dos expressivos números da nova-iorquina. Em anos recentes, o mercado acionário de Tóquio, no Japão chegou a ultrapassar a Bolsa de Londres, mas não se sustentou.
3. JAPÃO - Bolsa de Tóquio: A Bolsa de Valores de Tóquio foi fundada em 15 de Maio de 1878. As negociações iniciaram-se em 01 de Junho de 1878. Índice Nikkei - Nasceu em 1949 e comporta 225 empresas negociadas na Bolsa de Tóquio.
ALEMANHA - Bolsa de Frankfurt: A Bolsa de Valores de Frankfurt, em inglês é a maior bolsa de valores da Alemanha e uma das maiores do mundo, localizada em Frankfurt am Main. Pertence ao Deutsche Börse Group. Índice DAX Index - O índice da Bolsa de Frankfurt é composto de 30 companhias e surgiu em 1987.
PARIS – Bolsa de Paris: é a bolsa de valores históricos de Paris, conhecida como Euronext Paris a partir de 2000. CAC 40 - O indicador parisiense teve início em 1987 e acompanha as 40 principais empresas negociadas na Bolsa.
BRASIL – Bovespa: Fundada em 23 de agosto de 1890 por Emilio Pestana. Em 9 de maio de 1991, BM&F e BMSP resolvem fundir suas atividades, aliando a tradição de uma ao dinamismo da outra. Surge então a Bolsa de Mercadorias & Futuros – também com a sigla BM&F – cujo objetivo é desenvolver mercados futuros de ativos financeiros, agropecuários e outros. Índice Ibovespa - compreende as 55 ações mais negociadas na Bolsa paulista. Nasceu em 1968.
Detalhes sobre as datas de fundação das bolsas acima encontradas na WIKIPEDIA (2010).


2.5 Principais produtos negociados nessas bolsas

HESS (1971) cita que em Paris, negociam-se Ações e Renda Fixa (a vista), em Londres – Valores Mobiliários (ações negociadas a prazo, enquanto as obrigações são negociadas a vista e liquidadas no dia seguinte), em Nova York negociam-se Renda Fixa e Ações (a vista).
Segundo a BOVESPA (2010), temos o mercado a vista (3º dia útil após a realização da negociação em bolsa); mercado a termo (normalmente 30, 60 ou 90 dias) e mercado de opções (direito de comprar ou vender um lote de ações a outro investidor com preço e prazo de exercício preestabelecido contratualmente mediante o pagamento de um prêmio em dinheiro).
Nessas tabelas abaixo (ADVFN, 2010), encontramos alguns produtos negociados nas bolsas no dia 05 de abril de 2010, como o fuso horário interfere no funcionamento das bolsas algumas estão sem índices e sem percentual de variação, servindo apenas como modelo de produtos negociados e não visando informar suas reais cotações.

BOLSAS DE NOVA YORK

NYSE: New York Stock Exchange (NYSE)
 GE
 18.6166
 0.2866
 1.56%Up
 BA
 72.06
 -0.93
 -1.27%Down
 HPQ
 53.8001
 0.5601
 1.05%Up
 WMT
 55.65
 0.16
 0.29%Up
 GS
 172.42
 2.2
 1.29%Up
Na NYSE, de acordo com essa tabela a maior alta fica a cargo das ações da empresa General Electric e operando em baixa estão as ações da companhia Boeing CO. (The).




NASDAQ (NASDAQ)
 AAPL
 237.1
 1.13
 0.48%Up
 INTC
 22.605
 0.215
 0.96%Up
 GOOG
 572.95
 4.15
 0.73%Up
 MSFT
 29.3399
 0.1799
 0.62%Up
 BRCM
 34.42
 1.27
 3.83%Up
Já a NASDAQ, que opera exclusivamente por pregão eletrônico, todas as empresas apresentam crescimento, ou seja, operam em alta comparado ao pregão anterior, porém a que apresenta melhor índice é a Broadcom (MM).

AMEX: American Stock Exchange (AMEX)
 SLV
 9.3799
 0.0
 0.00%Unchanged
 USO
 44.13
 0.0
 0.00%Unchanged
 EZM
 24.95
 0.0
 0.00%Unchanged
 PSI
 10.48
 0.0
 0.00%Unchanged
 GW
 3.41
 0.0
 0.00%Unchanged
Na AMEX não apresentava variação em relação ao pregão anterior, até o momento do acesso.

BOLSA DA INGLATERRA (LONDRES)
LSE: London Stock Exchange (LSE)
 BP.
 Bp


 %Unchanged
 HSBA


 %Unchanged
 VOD


 %Unchanged
 GSK


 %Unchanged
 RBS


 %Unchanged
 AZN


 %Unchanged
 RDSA


 %Unchanged
 BARC


 %Unchanged
 BAY


 %Unchanged
 LLOY


 %Unchanged
 DGE


 %Unchanged
 TSCO


 %Unchanged
Na Bolsa de Londres não houve movimentação até o momento do acesso.

BOLSA DO JAPÃO (TÓQUIO)
Tóquio (JSX)
 7203
 3815.0
 40.0
 1.06%Up
 8411
 182.0
 -1.0
 -0.55%Down
 7267
 3380.0
 45.0
 1.35%Up
 8316
 3095.0
 -10.0
 -0.32%Down
 4502
 4080.0
 -30.0
 -0.73%Down
 7751
 4510.0
 110.0
 2.50%Up
 6752
 1478.0
 39.0
 2.71%Up
 9501
 2442.0
 -26.0
 -1.05%Down
 6758
 3605.0
 35.0
 0.98%Up
 9437
 144200.0
 1100.0
 0.77%Up
 9984
 2247.0
 -91.0
 -3.89%Down
Na bolsa de Tóquio a maior alta está por conta das ações da Matsushita Eletric com variação percentual de 2,71% e a maior baixa está para as ações do Softbank Corp. com variação percentual de 3,89% negativo.

BOLSA DA ALEMANHA (FRANKFURT)
XETRA: Alemanha (XE)
 SIE
 75.71
 0.0
 0.00%Unchanged
 DBK
 57.88
 0.0
 0.00%Unchanged
 ALV
 93.58
 0.0
 0.00%Unchanged
 SAP
 36.24
 0.0
 0.00%Unchanged
 DTE
 10.015
 0.0
 0.00%Unchanged
 HEN
 34.585
 0.0
 0.00%Unchanged
 DAI
 35.365
 0.0
 0.00%Unchanged
 LHA
 12.64
 0.0
 0.00%Unchanged
 BAS
 46.94
 0.0
 0.00%Unchanged
 IFX
 5.145
 0.0
 0.00%Unchanged
 ALT
 16.87
 0.0
 0.00%Unchanged
 RWE
 65.97
 0.0
 0.00%Unchanged
Não apresentou variação até o momento do acesso.

BOLSA DA FRANÇA (PARIS)
Euronext (EU) (EU)
 VIV
 20.17
 0.0
 0.00%Unchanged
 ALU
 2.347
 0.0
 0.00%Unchanged
 KN
 4.041
 0.0
 0.00%Unchanged
 ACA
 13.21
 0.0
 0.00%Unchanged
 FTE
 17.815
 0.0
 0.00%Unchanged
 DG
 44.42
 0.0
 0.00%Unchanged
 SAN
 55.16
 0.0
 0.00%Unchanged
 FP
 43.64
 0.0
 0.00%Unchanged
 BNP
 57.8
 0.0
 0.00%Unchanged
 RNO
 35.5
 0.0
 0.00%Unchanged
 AC
 42.44
 0.0
 0.00%Unchanged
 CO
 63.37
 0.0
 0.00%Unchanged
Não apresentou variação até o momento do acesso.

BOLSA DO BRASIL (BOVESPA)
Bovespa (BOV)
 36.14
 0.39
 1.09%Up
 50.1
 0.15
 0.30%Up
 31.64
 0.57
 1.83%Up
 33.23
 0.07
 0.21%Up
 IBXL
 9961.3409
 55.2709
 0.56%Up
 37.9
 0.8
 2.16%Up
 24.38
 0.25
 1.04%Up
 40.41
 0.26
 0.65%Up
 63.98
 1.08
 1.72%Up
 57.85
 0.12
 0.21%Up
 29.9
 0.1
 0.34%Up
 36.6
 -0.15
 -0.41%Down
 10.39
 -0.02
 -0.19%Down
Na BOVESPA a maior alta ficou com a Gerdau Met Pn e maior baixa com a Celesc PnB.
Fonte das tabelas: ADVFN. Acessado em 05/04/2010 ás 13:14

2.6  Dinâmica e repercussão para o mercado e o sistema econômico

De acordo com o MINISTÉRIO DA FAZENDA (2010) os mercados de capitais são mais eficientes em países onde existem bolsas de valores bem estruturadas, transparentes e líquidas. Para que elas desempenhem suas funções, o ambiente de negócios do país tem que ser livre e as regras devem ser claras. Nestes contextos, as bolsas podem beneficiar todos os indivíduos da sociedade e não somente aqueles que detêm ações de companhias abertas.
Todas as bolsas de valores do mundo criam índices que ajudam o mercado a identificar se as ações estão em queda ou subindo, é comum ver no noticiário que a queda ou alta da bolsa de Nova York puxou movimentação semelhante nos índices de todos os países do mundo, considerando que há uma interligação entre os mercados financeiros em função da própria globalização, fica claro, de imediato, que a crise não é restrita ao mercado sub-prime[1].
Com essa interligação na economia do mundo globalizado, quaisquer alterações nas relações econômicas entre os países ou até internamente refletem de várias formas externamente nas relações de investimentos comerciais. As oscilações nas bolsas de valores ocorrem na maioria das vezes em decorrência da preocupação dos investidores em relação ás transações financeiras gerando uma repercussão imediata em todo o mundo, pois qualquer alteração que fuja aos padrões do mercado de investimento faz com que os investidores modifiquem suas aplicações ou suspendam as transações.
Podemos observar que mesmo com órgãos reguladores, políticas protecionistas dos governos, nenhum país está totalmente livre de riscos e desequilíbrios econômicos, pois o principal motor gerador do mercado é a geração de investimentos e ganhos. 
O mercado de capitais sofre constantemente influência de natureza política, econômica, financeira, etc.
As bolsas de valores apresentam os seguintes benefícios para a sociedade como um todo, são eles:
Levantando capital para negócios - excelente ambiente para as companhias levantarem capital para expansão de suas atividades através da venda de ações, e outros valores mobiliários, ao público investidor.
Mobilizando poupanças em investimentos - Quando as pessoas investem suas poupanças em ações de companhias abertas, isto leva a uma alocação mais racional dos recursos da economia, porque os recursos são mobilizados e redirecionados para promover atividades que geram novos negócios, beneficiando vários setores da economia, tais como, agricultura, comércio e indústria, resultando num crescimento econômico mais forte e no aumento do nível de produtividade.
Facilitando o crescimento de companhias -  As bolsas servem como um canal que as companhias utilizam para aumentar seus ativos e seu valor de mercado através da oferta de compra de ações de uma companhia por outra companhia.
Redistribuindo a renda - Ao dar a oportunidade para uma grande variedade de pessoas adquirir ações de companhias abertas e, conseqüentemente, de torná-las sócias de negócios lucrativos, o mercado de capitais ajuda a reduzir a desigualdade da distribuição da renda de um país.
Aprimorando a Governança Corporativa - A demanda cada vez maior de novos acionistas, as regras cada vez mais rígidas do governo e das bolsas de valores têm levado as companhias a melhorar cada vez mais seus padrões de administração e eficiência. Conseqüentemente, é comum dizer que as companhias abertas são mais bem administradas que as companhias fechadas (companhias cujas ações não são negociadas publicamente e que geralmente pertencem aos fundadores, familiares ou herdeiros ou a um grupo pequeno de investidores). Os princípios de governança corporativa estão, cada vez mais, sendo aceitos e aprimorados.
Criando oportunidades de investimento para pequenos investidores - Um pequeno investidor pode adquirir a quantidade de ações que está de acordo com sua capacidade financeira, tornando-se sócio minoritário (mesmo tendo participação percentual ínfima no capital da companhia), sem que tenha que ficar excluído do mercado de capitais apenas por ser pequeno.
Atuando como Termômetro da Economia - Na bolsa de valores, os preços das ações oscilam dependendo amplamente das forças do mercado e tendem a acompanhar o ritmo da economia, refletindo seus momentos de retração, estabilidade ou crescimento. Uma recessão, depressão, ou crise financeira pode eventualmente levar a uma queda (ou até mesmo uma quebra) do mercado. Desta forma, o movimento dos preços das ações das companhias e, de forma ampla, os índices de ações são um bom indicador das tendências da economia.
Ajudando no financiamento de projetos sociais - Os governos federal, estadual ou municipal podem contar com as bolsas de valores ao emprestar dinheiro para a iniciativa privada para financiar grandes projetos de infra-estrutura, tais como estradas, portos, saneamento básico ou empreendimentos imobiliários para camadas mais pobres da população. Os governos, para levantarem recursos, utilizam-se da emissão de títulos públicos. Esses títulos podem ser negociados nas bolsas de valores.”


3 CONCLUSÃO


A realização dessa pesquisa abriu para nós, componentes do grupo, um leque de informações jamais estudadas, indo desde a origem das bolsas, onde percebemos que há uma controvérsia sobre sua origem que remonta a Idade Antiga, até os dias atuais.
Apesar das inúmeras dificuldades encontradas por falta de livros, sites confiáveis e mais atualizados sobre o assunto, temos a convicção que fizemos o “nosso” melhor.
Percebemos que o fortalecimento das bolsas deveu-se as dificuldades de incorporação de tecnologia nova aos processos de produção e o progressivo crescimento dos custos de produção (problema da escassez). Cabendo ao Governo (agente econômico - macro) o controle através de legislação e captura de aplicadores. Já as Pessoas Jurídicas de direito público e privado (agente econômico – micro) participam abrindo seu capital e colocando suas ações à venda.
Os agentes econômicos da microeconomia nas bolsas são também os consumidores e as empresas que atuam no mercado de capitais (sistema econômico) criando um meio de ligação entre eles, na medida em que as poupanças de uns financiam os investimentos de outros.
Para negociar nas bolsas os investidores precisam de um intermediário que são as corretoras e também seguir as regras próprias de cada uma delas. No Brasil, se a empresa quiser ter seus títulos negociados na Bolsa deverá registrar-se na CVM – Comissão de Valores Mobiliários e na Bovespa.
Percebemos também que a oscilação nos preços das ações e títulos estão ligados aos fatores naturais para produtos influenciados pelo clima, a fatores políticos, econômicos, financeiros, etc., ou seja, é um mercado situado em um ambiente de extrema mudança e de alto risco. Cabendo aos investidores ter uma visão sistêmica e manterem-se informados constantemente desses fatores para não amargarem sérios prejuízos. É um meio bastante arriscado e restrito.
Esse trabalho não é uma fonte de informação para aplicadores potenciais e sim um esboço do que vem a ser a Bolsa de Valores.

REFERÊNCIAS

ADVFN. Disponível em . Acessado em 05 abr 2010.

BOVESPA. Disponível em
merccap. pdf>. Acessado em 29 mar. 2010.

HESS, Geraldo. Investimentos e mercado de capitais. Rio de Janeiro: Centro Técnico Científico. Departamento Engenharia Industrial. PUC, 1971.

IG - Brasil Escola. Economia e Finanças. Bolsa de Valores. Disponível em . Acessado em 19 mar. 2010.

IGF. Portal de Finanças Pessoais. Disponível em
dicasResp.aspx?dica_Id=6>. Acessado em 19 mar. 2010.

LAMEIRA, Valdir de Jesus. Mercado de Capitais. 2ª. ed. – Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Portal do Investidor. Disponível em . Acessado em 18 de mar. 2010.

OLIVEIRA, Miguel Delmar de et all. Introdução ao Mercado de Ações, o que é, para que serve, sua importância. Minas Gerais: Comissão Nacional de Bolsas de Valores, 1983.

PINHEIRO, Juliano Lima. Mercado de Capitais: fundamentos e técnicas. 3. ed., 2. reimp. – São Paulo: Atlas, 2006.

WIKIPEDIA. Bolsa de Valores. Disponível em
Bolsas_de_valores#Hist.C3.B3rico>. Acessado em 19 mar. 2010.





[1] São financiamentos imobiliários de alto risco, a que se sujeitam tomadores de empréstimos com menor crédito, portanto pagam juros mais altos.



Um comentário:

  1. This post presents clear idea in favor of the new viewers of blogging, that truly how to do running a blog.


    Visit my blog post ... Calçado Para Mulher

    ResponderExcluir

Muitíssimo obrigada por dedicar um pouquinho do seu tempo a comentar meu blog. Fez valer a pena o tempo que me dedico a ele.

Gostou? Compartilhe!

Pesquisar este blog

Faça uma criança feliz!

Esse cantinho é ainda uma criança e é muito especial, se você gostou deixe seu comentário. Faça essa criança feliz!.

Follow by Email

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Cadastrar desaparecidos